quarta-feira, 23 de maio de 2012

Mais Urgência e Seriedade é o que precisamos


Ao abrir a Zero Hora  nos deparamos com um artigo do Juiz de Direito da 2 Vara da Infância e da Juventude de Porto Alegre, José Antonio Daltoé Cezar, sobre a Síndrome do segredo, referenciando o depoimento da apresentadora Xuxa Meneguel no fantástico

As palavras do ilustre Juiz merecem aplausos não somente por ter esclarecido um pouco mais a síndrome, mas por ter lamentado a opinião popular que afirma estar a apresentadora Xuxa Meneghel se utilizando de informaçães sobre a sua vida sexual, para tentar recuperar sua popularidade.

Em nosso entender, opiniões populares deste nível, só servem para banalizar assuntos que merecem serem tratados com urgência e muita seriedade.

__________________________________________________________________________

Segue texto do Dr. Daltoé publicado na Zero Hora quarta-feira, 23 de maio de 2012, pag. 13.

Síndrome do segredo

José Antônio Daltoé Cezar


Quando a apresentadora Xuxa Meneghel vem a público expor informações subre a sua vida pessoal, dizendo que na infancia foi vitima de abuso sexual, ouvem-se as opiniões mais variadas. Alguns dizem que sua popularidade esta em baixa, que está aproveitando a oportunidade para aparecer. Outros, que ela é uma pessoa corajosa, que utiliza sua imagem para colaborar no combate à violencia sexual praticada contra crianças. Observadas posições tão antagônicas, permito-me a conclusão de que a primeira posição é fruto do mais lamentável desconhecimento sobre o fenômeno do abuso sexual que vem a permitir seja ele tão presente na nossa sociedade de uma verdadeira banalização da violência que diariamente é praticada contra milhares de crianças.

Estimativas mundiais informam que possivelmente uma entre quatro meninas e um entre cada seis meninos chegam à idade adulta após sofrerem algum tipo de violência sexual. Ainda estimativas mundiais informam que  não mais de 10% das violencias praticadas conseguem ser reveladas, dado esse que revela o nível de impunidade que existe neste tipo de crime. Estatísticas, mais do que as estimativas, informam que, em razão da falta de preparo dos adultos para ouvirem essas revelações (família, escola, saúde, política, justiça), desses 10% dos casos que conseguem ser revelados, nao mais do que um décimo dos abusadores é responsabilizado.

Qual a razão para se revelarem essas açoes, bem como para responsabilizar os que as praticam? A primeira resposta é que esse tipo de crime, como regra, nao deixa vestígios materiais nem tem testemunhas. A segunda resposta é que em quase 90% dos casos ele é praticadopor pessoas que frequentam o seio familiar da criança (padrasto, pais, av6os, vizinhos, primos etc.), sendo tidas nesse meio como de absoluta confiança. Quantoàs vítimas, crianças, são vários os motivos que as fazem permanecer em silêncio. Algumas sofrem ameaças físicas ou psicológicas, que fazem com que temam por si, por sua família ou por alguém que nutram afeto. A criança também pode ter medo de punição pela ação de que participou, mas principalmente de que não acreditem nela e por isso possam puni-la pela mentira.

Várias outras razões podem ser elencadas para justificar o silêncio da vítima, existindo numerosos estudos nessa área, frutos de muito trabalho e não apenas derivados de opiniões desfundamentadas. Aqui, aproveito para aderir àqueles que reconhecem valor na ação da Xuxa, que, por ser uma pessoa conhecida nacionalmente, e com passado de trabalho na proteção da infância, veio a contribuir em muito para que se consiga, cada vez mais, falando a respeito, e não escondendo o problema, desvelar essa chaga que atinge negativamente a vida de milhares de crianças.

José Antônio Daltoé Cezar - Juiz de direito da 2 vara da Infância e da Juventude de Porto Alegre  

Nenhum comentário:

Postar um comentário