sábado, 23 de abril de 2011

Os conflitos da nova família

Fonte: Revista Epoca
Martha Mendonça e Mariana Sanches




O modelo clássico de família, em que o casamento era visto como uma instituição indissolúvel, começou a ruir na segunda metade do século passado. A autonomia da mulher, a legalização do divórcio, o aumento do número de adoções e a explosão do número de mães solteiras ajudaram a compor o atual mosaico da nova família. No passado, quando o amor entre homem e mulher acabava, o casamento sobrevivia em nome da coesão familiar. Hoje, ao menos em tese, a aspiração de um dos parceiros à felicidade individual se tornou razão legítima para romper o vínculo do casal. O aumento progressivo do divórcio criou em muitas famílias um emaranhado de papéis: madrastas, padrastos, enteados, meios-irmãos, sogros e ex-sogros provenientes de duas ou mais uniões. Quanto maior o número de casamentos e, conseqüentemente, de “ex” e de descendentes, maior e mais complexa a árvore familiar.


Essas mudanças foram acompanhadas por outra, no discurso para tornar “aceitáveis” essas novas situações e os conflitos que elas naturalmente suscitam.“É comum que o marido ou a mulher – às vezes ambos – levem para o casamento filhos que são fruto de uma relação anterior. Espera-se que isso aconteça sem complicação: afinal, se descasamos e casamos por amor, por que o amor não reinaria pelo lar todo?”, escreveu em artigo recente na Folha de S.Paulo, a propósito do assassinato da menina Isabella Nardoni, o psicanalista Contardo Calligaris. A psicóloga americana Judy Osborne, que estuda a construção de novas famílias há duas décadas e criou o site Stepfamilies Associates, em que discute os mitos em torno do novo núcleo, cita alguns mitos que perturbam as novas famílias: 1) que o amor entre todos os membros se estabelece instantaneamente; 2) as crianças têm de vir sempre em primeiro lugar; 3) padrastos e madrastas são maus; 4) um novo bebê vai criar o elo que falta para todos. “Adultos e crianças precisam se desprender desses mitos e criar sua própria experiência”, diz Judy.


Quatro anos atrás, em reportagem de capa sobre as “novas famílias”, ÉPOCA afirmava que a instituição familiar tinha se adaptado aos novos tempos e que havia lugar para a igualdade e o respeito entre todos os integrantes. Isso continua a ser verdade. Na maioria das famílias, “ex”, padrastos e enteados convivem em paz. O caso Isabella é uma raríssima exceção em que o conflito parece ter desembocado em uma violência incomum. Por sua estúpida brutalidade, fez lembrar que as transformações da família são fonte de conflitos nem sempre declarados, que podem vir à tona a qualquer momento. É particularmente chocante, nesse sentido, o contraste entre a cena harmônica do pai de Isabella, sua madrasta e seus meios-irmãos de mãos dadas, fazendo compras no supermercado, e o crime bárbaro cometido horas depois, pelo qual o casal foi indiciado.


No fórum da Associação de Madrastas e Enteados, há troca de experiências e desabafos. Ali, as ex-esposas são chamadas de “exus”


Nem sempre, principalmente nos primeiros anos do segundo, terceiro ou enésimo casamento, as relações são amenas. Ciúme, brigas pelo poder, a sombra dos ex-cônjuges e dificuldades de relacionamento entre os enteados podem ser o estopim de uma guerra. O psicólogo americano James H. Bray, do Baylor College of Medicine, em Houston, no Texas, acompanhou 200 novas famílias e as classificou em três categorias:


– a “neotradicional”, em que os casais têm uma relação extremamente sólida. As questões dos filhos de um lado ou de outro são resolvidas de forma cúmplice e firme, em parceria. Essas famílias não têm expectativas de perfeição e aprendem com os erros. Costuma ser a que dá mais certo, mas é também a mais rara;
– a “matriarcal”, em que a mãe é a figura central do grupo e o novo marido, padrasto de seus filhos, tem o papel de companheiro, mas mantém distância da rotina e da educação das crianças;
– a família “romântica”, em que se espera o mesmo padrão de afeto da família nuclear tradicional – e por isso seus membros não reagem bem aos conflitos normais desse tipo de arranjo. É nesse tipo, segundo Bray, que costuma haver a maior parte das separações. Casais que decidem formar uma nova família, segundo ele, precisam fazer uma espécie de “planejamento”. “Discutam o que caberá financeiramente a cada um, deixem claro o que cada um pode ou não pode em relação aos enteados. E, sobretudo, façam um pacto de fidelidade aos problemas um do outro. O casal é a base da família. Se está forte, todo o resto será beneficiado”, diz Bray.


Fernanda Carlos Borges, filósofa, autora do recém-lançado livro A Mulher do Pai (Summus Editorial), afirma que “a família que vive no imaginário coletivo ainda é a família nuclear. Mas a família não-nuclear é a realidade de metade dos brasileiros e está na discussão dos lares”. Segundo Fernanda, “quando há diferença entre essa família-padrão e a nova família, surgem a ansiedade e o sofrimento, porque ela não incorpora os personagens desse imaginário ultrapassado.”


Harmoniosos ou conflituosos, a tendência é que haja um aumento desses novos núcleos. Nas últimas duas décadas, o número de divórcios quadruplicou, segundo o IBGE. Em dez anos, o índice de casamentos que envolvem pelo menos um divorciado cresceu de 7% para 12%. Os números oficiais não representam inteiramente a realidade brasileira, composta de um número maior de enlaces informais, fora dos registros. São as “famílias reconstituídas” – como as classifica o meio acadêmico. Esse novo desenho de família é um fenômeno da sociedade ocidental. Nos Estados Unidos e na Europa, estima-se que as separações triplicaram desde os anos 70.

O CAÇULAO professor Elton Maravalhas tem três filhos do primeiro casamento: Fernanda, de 15 anos (de verde), Rafaella, de 13 (de preto), e Felipe, de 11 ( de azul). A mulher, Ana Cláudia Vivacqua, tem um menino da primeria união, Gabriel, de 13 anos (de camiseta branca). Eles admitem que a caçula, Rebecca, de 2 anos, fruto da união do casal, desperta ciúme
Nesse quebra-cabeça, as famílias “recasadas” ainda se sentem incertas sobre seus papéis. Padrasto pode dar bronca? O filho de um pode dormir tarde e o do outro não? “Crianças de fim de semana” devem ajudar nas tarefas domésticas? Qual o papel de um adulto que convive com uma criança e não é pai ou mãe dela? Entre essas discussões, uma das mais comuns é o papel da madrasta. Na tese Mães e Madrastas: Mitos Sociais e Autoconceito, Denise Falcke, psicóloga e terapeuta de casais da PUC do Rio Grande do Sul, mostra quanto é difícil para a madrasta saber qual é o papel dela na família. “Qualquer atitude dela que aparentemente se afaste da idéia de mãe perfeita passa a ser sentida como uma ameaça da chegada da madrasta malvada”, diz Denise. “Se a madrasta exige alguma atitude dos enteados, algo cotidiano, como a arrumação da casa ou alguma reivindicação do companheiro em relação aos filhos, isso tudo logo é visto como falta de paciência ou maldade. Elas se sentem perdidas.” Denise constatou que as mulheres costumam ter mais ciúme que os homens e se colocam em desvantagem em relação aos filhos dos companheiros.


É mais comum a mulher ter ciúme e formar “triângulos” com o marido e os enteados que o padrasto com os filhos da mulher. Psicóloga e autora dos livros Quando o Homem da Sua Vida já Tem Filhos e 100% Madrasta, a paulistana Roberta Palermo criou a Associação de Madrastas e Enteados, que organiza encontros e palestras sobre o tema. No fórum do site da associação, madrastas trocam experiências e fazem desabafos quase sempre muito parecidos. Sentem-se desrespeitadas pelos enteados, injustiçadas pelos maridos e confrontadas por suas ex-esposas – que na gíria do fórum são chamadas de “exus”. Uma delas, em crise, escreve que o enteado adolescente resolveu morar com eles “logo agora que meu marido resolveu reverter a vasectomia para termos nosso bebê!”. “Madrastas e ex-mulheres são ingredientes de uma bomba-relógio”, diz Roberta, que diz ter superado os problemas iniciais que teve ao se casar com um pai de dois filhos pequenos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário